Total de visualizações de página

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Genêro Textual: Diário

características do Diário

DIÁRIOConceito
O diário é um dos géneros da literatura autobiográfica. Registo das vivências e sentimentos de um “eu” face ao mundo que o rodeia, possui, por esse motivo, um carácter intimista e confidente. O diário é o testemunho Quotidiano, por vezes com algumas descontinuidades, do quotidiano de alguém que fixa, através da escrita, factos, desejos, emoções.
Estrutura
O diário possui uma estrutura bastante característica:
  1. é repetitivo – cada dia corresponde a um registo de situações e sentimentos diferentes e é identificado pela respectiva data;
  2. o autor dirige-se ao diário como a um confidente, sendo frequente a utilização do vocativo “Querido diário” ou até a criação de um nome para o saudar;
  3. os registos são ordenados por ordem cronológica de ocorrência.

    Características

    Além de obedecer a uma estrutura específica, o diário encerra características próprias:

    1. o protagonista e o narrador são coincidentes, ou seja, são a mesma entidade. Por esse motivo, a modalidade de enunciação do discurso utilizada é a primeira pessoa. O diário é testemunha de uma situação de comunicação unilateral;

    2. a matriz discursiva é muito livre, uma vez que o narrador dá livre expressão ao curso do seu pensamento. Não existe, excepto no diário de ficção, a intenção de agradar os leitores, porque o diário destina-se ao próprio autor;

    3. o discurso é subjectivo, a escrita é confessionalista. O nível de língua é familiar, o registo é informal e o vocabulário bastante simples;

    4. utilização de deícticos, marcas da presença do sujeito no discurso que produz. A referência deíctica pode ser dada por pronomes pessoais, determinantes possessivos ou demonstrativos, advérbios de tempo ou de lugar,

    5. por vezes, a narração é descontínua, intercalada, porque apenas ocorre quando o sujeito de enunciação deseja registar algo.

    Tipos de diário
Existem dois grandes tipos de diário, de acordo com o tipo de receptor a que se destinam:

Diário pessoal – este diário é íntimo e destina-se apenas a ser lido pelo seu autor. Não existem grandes preocupações literárias e a linguagem é fluida e familiar. Poderá ser mais repetitivo em termos de forma (repetições a nível do registo escrito que traduzem a fluência da oralidade) e de conteúdo (referência aos mesmos episódios…) que o diário de ficção;

Diário de ficção - como o próprio nome indica este não se trata de um diário genuíno, cujo autor regista as emoções e vivências quotidianas. A preocupação pela literariedade é muito maior, como também é acrescida a atenção sobre a linguagem utilizada que, não obstante, traduzirá também o correr do pensamento. O diário de ficção é uma obra literária apresentada na forma de anotações pessoais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário